Como fazer apresentações com dados numéricos contando uma história – algumas lições da Pixar

O ser humano é fascinado por ouvir e contar histórias. Os primeiros registros disso vem dos desenhos primitivos das paredes das cavernas. Eles nos ajudam a entender como viviam as sociedades primitivas: cenas da natureza, história de uma caçada, um cerimonial, uma batalha entre tribos. Não temos como saber exatamente o que vemos nessas pinturas, se é um testemunho pessoal ou um registro histórico, se é alguma espécie de apresentação primitiva ou, até mesmo, uma forma ancestral de arte. 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Em um salto narrativo à lá 2001: Uma Odisséia no Espaço, chegamos a Steve Jobs. Ele foi um exímio apresentador de ideias, existem vários livros dedicados a como ele apresentava uma ideia de um novo produto ou solução. O fato é que ele seguia um enredo minuciosamente elaborado que vale a pena conferir. [1]

Hoje, na era do big data, existe a necessidade de elaborar narrativas que envolvam dados, quase sempre numéricos. Mas as ideias importam mais do que os números, por isso a comunicação de resultados se tornou tão importante em apresentações profissionais.

Pessoas não querem ver tabelas e números, elas querem ouvir histórias com elas.

A Pixar, empresa do grupo Disney que produz histórias encantadoras, teria algo a ensinar para quem constrói narrativas nas empresas?

Um post famoso no LinkedIn, de uma artista da PIXAR chamada Ema Coats, apresentou uma serie de dicas de como elaborar histórias. São 22 dicas no total, das quais extraio apenas quatro, mais pertinentes, na minha opinião, à comunicação de resultados (as demais dicas estão nas referências):

#1 Comece a montagem da apresentação, na forma de um texto. Se deixar tudo na sua cabeça até aparecer a ideia perfeita, você nunca compartilhará com ninguém.

#2 Crie o final antes de saber como será o meio. Finais são difíceis, então adiante o seu trabalho.

#3 Ignore a primeira coisa que vier a sua cabeça. E a segunda, terceira, quarta, quinta – Tire o óbvio do caminho. Surpreenda a si mesmo.

#4 O que é essencial na história? Qual a forma mais curta de contá-la? Se você souber a resposta, pode começar a construí-la a partir daí.

Bom trabalho!

—–

[1] https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/administracao/faca-apresentacoes-como-steve-jobs-fazia/19101

[2] https://www.cafecg.com.br/dicas/as-22-regras-da-pixar-para-contar-uma-boa-historia

[2] Davenport, T. & Kim, J. Dados demais! Como desenvolver habilidades analíticas para resolver problemas complexos, reduzir riscos e decidir melhor. 240 (Elsevier, 2014).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close